6 dicas para extrair um som mais orgânico e realista do VSTi de bateria.

Queria não precisar, mas temo ser preciso. Atenção, cara pálida! Antes de ceder à tentação de negar o que é dito nesse artigo, entenda que esse é um caminho alternativo, para quem quer alcançar resultados de bateria mais orgânicos, porque não dizer mais “podrinhos”. Se você tem sonhos molhados apenas com sons big de batera e com super presença e punch, as linhas abaixo não são pra você.

Haters calibrados, podemos seguir.

Eu dei essa dica de bateria num vídeo do canal do Bongrado (meu projeto autoral) mostrando um pouco do processo de produção, mix e master de uma música que lancei. Pois bem, algumas pessoas curtiram e eu resolvi dedicar um pouco mais de tempo a ela.

Vivemos a era dos majestosos plugins de batera, com seus mil e um kits, cada um prometendo um timbre/uso mais perfeito que outro! Sim, isso é demais, eu também acho e deixo claro.

Mas nem sempre, em nem todos os estilos e canções o que queremos é um puta som modernoso de batera. Com tanta perfeição, às vezes fica um pouco difícil de chegarmos num som mais natural, orgânico, realista, remetendo até à vibes mais old.

Então, reuni algumas dicas pra ajudar nessa missão. Pelo amor de Jah, você não precisa aplicar todas obrigatoriamente. Use com moderação e entenda que essa “estragada de som”, também possui seus aspectos negativos.


Depois de ler, veja o vídeo e confira como saí desse resultado (preset do software):

Para este:

Mais uma vez, insisto que não estou dizendo que é melhor, ou que deva ser usado assim. É apenas um aglomerado de técnicas para se alcançar um objetivo. Vamos às dicas:

Dica 1 – Utilize um software de bateria mais orgânico.

Não sei o que quanto isso é óbvio ou simples para quem não tem muito treino, mas o fato é que alguns VSTi de bateria possuem samples (a amostra da peça gravada) menos processados (equalizações e compressões na captação, basicamente).

Então o primeiro passo é escolher algo assim. Eu optei pelo Addictive Drums 2.

addictive-drums-2

Obs: quer uma referência de som mais plástico e fake, confira o plugin MT Power neste vídeo. Não estou dizendo que seja ruim, é apenas outro caminho estético.

Dica 2 – Retire os processamentos dos presets.

Quase todo software de bateria tem uma seção de edição dos timbres. Pois bem, sua missão é tentar chegar o máximo possível no sample puro. Então, desligue o que houver de processadores.

Dica 3 – Seja coerente na escrita.

Perceba que estamos falando de duas medidas aqui: soar mais orgânico e soar mais realista. Uma coisa que ajuda bastante é ter coerência na hora de escrever o MIDI. Crie dinâmicas de volume, evite intensidade extrema (velocity 127).

Além disso, conheça o mapa do software, a preguiça é sua inimiga. Tenha certeza que está escolhendo peças que fazem sentido com o arranjo.

Dica 4 – Diminua o impacto das peças.

Alguns softwares oferecem regulagem de envelope de volume, que alteram a natureza do timbre. Atrasando o parâmtro Attack você terá peças com um impacto menos perfeito.

Esse raciocínio tem a ver com a próxima dica.

Dica 5 – Crie efeito de defasamento.

Aconselho que você estude sobre a teoria dos efeitos de fase. Vou tentar ser prático, em uma gravação de bateria o som das peças chega nos diferentes microfones em tempos distintos. Visualmente, o gráfico desses transientes estarão desencontrados.

O efeito auditivo desse desencontro é uma perda do punch percebido para aquela peça.

Em épocas mais remotas, quando a edição era mais restritas, era muito comum que as baterias, mesmo de produções grandes, conservassem algum nível de defasamento (mesmo com os cuidados dos técnicos na captação).

Assim sendo, as dicas 4 e 5, dizem respeito a você simular esse efeito de transientes com menos precisão de impacto. Um som mais frouxinho digamos.

Dica 6 – Some mais som geral aos close mics.

Close mics são os microfones próximos das peças, enquanto que os mics gerais (over e room), como o nome diz, captam o conjunto como um todo.

Close mics são definidos e secos, mics gerais são menos precisos e quanto mais distantes, captam mais ambiência da sala.

Os mic gerais trazem essa característica orgância à bateria. Use dosagens mais altas para alcançar um som mais natural.

Acho que vou fazer um outro artigo mostrando como pode ficar um novo processamento em cima desse resultado que chegamos até aqui.

Você o que achou? Deixe seu comentário sincero, sua dúvida, ou qualquer outra coisa. Terei prazer em respondê-lo.

Não deixe de curtir e seguir nossos canais! Obrigado até a próxima!

 

Quer ser avisado do
próximo artigo? Inscreva-se!