6 manhas de mixagem para ter um som pesado de bateria

Você já deve ter ouvido que no áudio não existe certo ou errado. Isso significa que existem diferentes abordagens para uma mesma situação.

Costumo dizer que o importante, de verdade, é ter uma hipótese, um plano, de forma que se trabalhe conscientemente. Se assim for está “certo”! O resto é questão de analisar se o resultado é válido ou se é a melhor escolha realmente.

Em mixagem de bateria, o mais comum é uma abordagens de limpeza, que foca em retirar excessos e competições entre as tracks. Em outras palavras, cada uma faz um papel. Nem sempre esse é o melhor caminho. Por exemplo, se você está trabalhando com rock e quer uma batera mais pesada e presente, talvez somar características das tracks e fazer uma reforçar a outra pode ser uma boa alternativa.

Seguindo essa ideia, listei 6 manhas relacionadas à mixagem, principalmente, que seguem a proposta acima:

 

1 – Limite o geral da bateria! Coloque todas as tracks dentro de um grupo/pasta. Adicione um Limiter e comprima levemente os excessos dos picos e reajuste o volume da bateria na mix. Isso vai trazer à tona harmônicos mais baixos, encorpar a batera e deixá-la mais pesada. OBS: não pegue pesado aqui, é provável que na masterização você utilize mais recursos para limitar picos, ganhar volume e você não vai querer estragar seus transientes. Uma outra opção para essa dica do geral de batera é usar algum saturador de leve, ao invés de Limiter.

 

2 – Dê mais massa sonora! Essa é uma regra geral, baterias comportadas, com peças com pouca ressonância, terão mais dificuldade de pintar. Isso pode ficar lindo em estilo de bases mais limpas, mas no rock pesado, carregar um pouco o peso das peças vai ajudar. Na caixa, por exemplo, dê um ganho (pós compressor) de 150 a 240 Hz para reforçar o punch do tratamento, isso ajudar a cortar melhor a mix e aparecer em meio a bases densas.

Além disso, não tenha medo de adicionar brilho a suas peças, para elas se destacarem ainda mais . Peças bem brilhantes é uma sonoridade muito utilizada nos estilos mais modernos de rock.

 

3 – Dê um tapa mais forte! Seguindo o raciocínio acima, você também pode adicionar médios mais altos para dar um slap (estalado) mais cortante às peças, com mais força e agressividade, ao invés de dar apenas o famoso brilho nos agudos.

 

4 – Corte menos! Ainda na pegada de equalização, utilize Hi Pass menos drástico. Por exemplo, é comum Over ou Room serem bastante cortados em abordagens mais limpas, mas aqui, experimente retirar apenas as regiões mais graves, deixando o resto das frequências de peso, para completar e reforçar o som das peças.

Além disso, você pode comprimir um pouco esses canais para que o punch não fique por conta exclusiva dos compressores das peças individuais.

 

5 – Use Reverbs poderosos! Os Reverbs podem ser mais densos, para reforçar a sensação de peso e maior dimensão da bateria. Além disso, eles irão espalhar as tracks no stereo (se forem stereo, claro), fazendo-as ocupar mais espaço na mix,

 

6 – Some sample! Não é pecado usar samples. As produções modernas de rock e metal perderam essa “vergonha”. O som de batera atual tende a ser mais processado e esculpido, de forma que muitos produtores optam por replace (substituição total) ou soma com samples, em suas baterias, mesmo quando tiveram uma boa captação.

OBS: Talvez seja melhor você já definir esses samples antes de entrar no processo de mix, mas se não esperava usá-los e descobriu que sim durante a coisa toda, sem problemas.

Agora que entendeu alguns caminhos para chegar a um resultado mais pesadão de bateria, saiba que no meu curso Batera Real, eu mostro em detalhes muitos outros macetes para esse tipo de abordagem. E se de repente bateria pesada não é bem sua praia, saiba que mostro também outras duas abordagens, mais orgânicas, também com explicações esmiuçadas de gravação, edição e mixagem, incluindo os projetos abertos para download. Você precisa estudar esse material se quer subir esse degrau na carreira de produtor.

 

 

Deixe sua dúvida, agradecimento ou comentário: