Como encaixar a voz na mix e evitar o efeito karaokê

Este é um artigo gratuito, mas caso se sinta à vontade, apoie a produção de novos artigos através de uma doação de qualquer valor. É correto e acessível a todos.

Doar

Hoje o #dicascysneproduções vai te ensinar como evitar o que eu chamo de efeito karaokê, aquela sensação estranha de que a base e a voz não se encaixam. Esta é uma tarefa relativamente simples, mas que por exigir uma série de pequenos detalhes (como quase tudo no áudio), acaba por gerar bastante dúvidas. Por isso, resolvi criar um passo a passo para iluminar a questão. Deixo claro, porém, que existem muitos outros caminhos possíveis para se alcançar esse objetivo. Vamo lá (no final, assista o vídeo com a parte prática):

Passo 1 - Equalização corretiva

Teoria: imagine que, contrariando a crise, compramos um terreno e vamos construir uma casa. Porém, nossa área está cheia de entulhos e vegetação que precisam ser retirados. Fazendo uma analogia, o terreno é nossa track crua e iremos utilizar o equalizador para retirar esses excessos.

Prática: utilize um High Pass Filter (HPF) para cortar sobras abaixo de 100 Hz e bandas para eliminar sobras nos principais fenômenos de frequência (se você tiver dúvidas nos termos, aconselho que estude um pouco mais sobre a teoria da equalização). Geralmente voz tende a ser um pouco booming em 200 hz, costuma ser boxed em 600 hz e harsh em 2 e 5 Kz.

Passo 2 - Compressão corretiva

Teoria: agora temos um terreno limpo, mas o revelo está todo desnivelado, o que impede a construção. Trazendo pra nossa analogia, o desnivelamento do terreno é a variação de volume da track, que dificulta que encontremos um ponto consistente do fader, que mantenha a voz audível ao longo de toda mix. Iremos utilizar o compressor para deixar a dinâmica mais comportada.

Prática: são muitos os raciocínios sobre as possibilidades de compressão, então vou me ater a uma solução fácil. Utilize um plugin emulador de compressor óptico, tipo o LA2A. Esses são compressores de reação lenta, que se encaixam de forma muito musical às variações de volume da voz, nos dando uma dinâmica estável, natural, suave e dependendo do compressor, até uma certa coloração.

Passo 3 - Equalização estética

Teoria: Como assim? Equalizar de novo? Sim, não existe nenhuma regra quanto à ordem e número de compressores e equalizadores. Após as correções acima, temos um terreno limpo e nivelado, o que nos possibilita utilizar alguns ornamentos, como por exemplo, uma valorização de frequências estratégicas.

Prática: valorize os médios agudos, essa região irá dar destaque para a voz. Você pode usar um SSL eq, que possui médios e agudos cremosos, dando um boost de 3 a 6 dB nas três primeiras bandas, de cima pra baixo (veja a figura). Teste e tente encontrar quais bandas funcionam melhor para sua amostra, pode ser apenas uma ou as três.

Além disso, se achar válido, você pode aliviar essas mesmas regiões, em elementos que possam estar competindo com a voz, como por exemplo, guitarras distorcidas, violões, overheads.

Figura - mostra as bandas do equalizador do plugin SSL channel. A primeira encontra-se em posição default, em 8 KHz; a segunda, também em posição default, entre 3 e 4.5 KHz; e a última, você deve ajustar para próximo de 2 KHz, Sinta-se livre para mudar as bandas para outras frequências entre o início dos médios agudos até meio dos agudos, mais ou menos. Encontre a região que dê destaque e uma textura bonita à voz.

Passo 4 - Efeitos

Teoria:  por fim, o tapa final são os efeitos, que irão criar informações psico-acústicas para o ouvinte, que podem valorizar ainda mais o elemento voz.

Prática: a voz geralmente é um elemento central e você pode utilizar efeitos para "espalhar" esse elemento também pra porção side da música. Assim, ela ganha presença, sem que você tenha que apelar para o fader de volume. Isso pode ser feito com efeitos stereo gerais, eu sugiro que utilize um Chorus, com dosagem bem leve.

Outro recurso importante para o encaixe do vocal é o uso de efeitos de ambiência como Reverbs e Delays, pois estes criam a sensação de que todos os elementos pertencem a um mesmo espaço, diminuindo a impressão de desacoplamento. Sugestão: Reverb curto para quebrar secura; Reverb longo e Delay pra dar profundidade e clima. Uma última dica tanto pro Room (curto), quanto pro Hall (longo), é atrasar um pouco a chegada do reverberação no parâmetro Predelay. Assim, vc tem Reverb, sem tirar a voz da cara.

Conclusão

O que fizemos de maneira geral? Evitamos comportamentos inapropriados de volume da track (tanto frequências, quanto dinâmica) e utilizamos elementos de presença (efeitos e equalizações) que permitiram a voz usar dosagens mais suaves de fader, acoplando-se melhor à base. Esse raciocínio é o que chamamos de "cola" e se refere ao bom acoplamento entre os elementos de uma mixagem. Muitas vezes, você vai ouvir falar do uso de equipamentos ou plugins emuladores para fazer o summing (soma) destes elementos. Nada contra. Mas é preciso ficar claro que uma boa cola está ao alcance de suas mãos e depende de ferramentas muito mais comuns.

Quer ser avisado do próximo artigo? Inscreva-se!